terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Mosaico de Rancores: capítulo 29

Pedras fazem ninhos entre meus rins. Árvores da vida semeadas em terreno pedregoso. Há milhares de histórias inscritas na minha pélvis. Fórceps. Restos mortais de outros homens. E o meu corpo descansa em desafeto. Fetos abortados fora de mim. Felicidades geradas in vitro. As desculpas descansam cínicas em cima da mesa. Poderia cerrar as cortinas e deixar o sol secar a poça que se forma no meu peito, cegar minha vista. Não posso me mover, qualquer passo e esmago as flores ao redor de mim. Fleurs du mal. Rimas raras, versos brancos. Nosso amor é uma estrofe esquecida de acontecer. Poesia marginal em boca burguesa. Fecho o livro, mas as frases não saem da minha cabeça. Você voltou como se nada tivesse acontecido. Pause. A mesma roupa, o mesmo cheiro, os mesmos verbos mal conjugados, a mesma língua... Trezentos e sessenta graus. E para você eu continuo igual, uma equação resolvida, soluções fáceis, números inteiros. E eu me julgo cálculo integral. Rios verdes passaram por mim e não mudaram seu curso. Continuo à margem, contando lírios. Desapego.

13 comentários:

Adriana disse...

Adorei esse texto tão repleto de verdades subjetivas, só possíveis na visão de um poeta. Abraço.

Braga e Poesia disse...

vc trabalha com as impossibilidades, eu acho isso lindo por que é um desafio, literarura sempre no fio da navalha, saindo e fugindo do lugar comum.
marcia seu texto é incomum.

Braga e Poesia disse...

eu queria dizer literatura e não literarura

Luciano Fraga disse...

Continua a saga, o rio no seu curso improvável, talvez não chegue ao mar, as pedras e as "flores do mal" .Muito forte, grande texto.Beijo terno.

Arabica disse...

Escrita quase verbal, uma raiva incontida trabalhada através da mente até ao desapego desejado.


Contudo, pelas imagens oferecidas, sabe-se que o sentimento ainda joga lá todo inteiro, um amor feito furia -contida pelo cansaço.


Gostei, Marcinha


Beijo

Eduardo Miranda disse...

ATENÇÃO: Isto É um SPAM... um SPAM CULTURAL!!!

... da totalidade das coisas e dos seres, do total das coisas e dos seres, do que é objeto de todo o discurso, da totalidade das coisas concretas ou abstratas, sem faltar nenhuma, de todos os atributos, de todas as qualidades, de todas as pessoas, de todo mundo, do que é importante, do que é essencial, do que de fato conta... de TUDA!!!

(...)
Tuda nasce querendo ser uma revista eletrônica de literatura, poesia e outras coisinhas interessantes, que se auto-definirão melhor com o tempo. Com muita calma, paciência e a ajuda de amigos e colaboradores, vou fazer de tuda para que vingue, pelo simples prazer do fazer.
(...)

Passa lá!!
http://tuda-papeleletronico.blogspot.com/

Eduardo Miranda
O (auto-proclamado) Editor!

On The Rocks disse...

o começo é inquietante, marginal como sempre.

tem um meme pra você no on the rocks.

bom fim de semana.

abs

f@ disse...

Olá Márcia,

São pequeninas pedras ajustadas,… areias finas… o ninho é duro, intenso aconchego…segredo alojado no mais recôndito espaço…
Misterioso verde musgado … nas margens rebentam acácias já em flor… perfumes amarelos impregnados no solo áspero... raízes…


Belo teu texto como todos os que escreves… um desafio comentar-te… imenso gosto em te ler

Beijinhos das nuvens

pianistaboxeador21 disse...

Só estou escrevendo porque pensei muito em vc, hj, durante a tarde, no trabalho.
Obrigado por ter salvo minha vida e pela paciência e carinho.
Te amo,
Beijos,
Dan.

Germano Xavier disse...

Cada vez melhor, Márcia.

Continuemos...

Guru Martins disse...

...nooossssa!
uma catarse
atrás da outra.
Voce vai acabar
se iluminando,
tome cuidado...

bj

Gabriela Galvão disse...

E as palavras duvido q saem e são engatilhadas aa fórceps. Fluem q parecem líquidas.


Bisous

BAR DO BARDO disse...

Esse texto parece meditação ocultista. Há algo para bem além...