quinta-feira, 15 de abril de 2010

Conto na revista Caos e Letras

Amigos, mais um conto meu na revista Caos e Letras:

http://caoseletras.blogspot.com/2010/04/morte-e-o-sapateiro.html

11 comentários:

Parreira disse...

Sei lá, mas parece que vc tenta reinventar a morte...

Parreira disse...

"Trombadinha"! Faz tempo que eu não ouço isso.

Mai disse...

Márcia, quando eu li no aforismo, a morte como um sapateiro velho, lembrei que em Mário Quintana,
"...morrer é finalmente deitar sem sapatos..."
Teu texto é repleto de imagens: ...A boca da terra engolindo tudo.
Mas, p'rá mim, a morte sempre foi negra e covarde.
Trazê-la com veste branca é realmente estilizá-la.
Gostei muito.
bjos e bom final de semana.

fao disse...

vc é fantastica....

Le Vautour disse...

É incrível o jeito como você trata a morte. E a idéia dos corvos penetrando virgens? Ah, Marcia... o seu estilo já está se tornando inconfundível. O veludo, o telúrico, a saudade, tanta coisa sinestésica junta, tanta coisa boa!
Abração de duas asas!

On The Rocks disse...

márcia,

tô vindo de lá. forte com um quê de mistério no ar. o final me lembrou a poesia de bob dylan que diz assim: "meu amor é como um corvo na minha janela com uma asa partida".

lindo, né?

bj

priscilapimentel disse...

Esse é sem dúvida o meu conto favorito!
Beijão, Márcia!

Mai disse...

Queria tanto te ler novo e novamente...

beijos

On The Rocks disse...

ei sumida!

Adriana Karnal disse...

sumida II

Ricardo Bruch disse...

Márcia,

muito obrigado por ter dado um pulo no Bostoievski.
Fiquei muito, MUITO surpreso e feliz, especialmente pelos comentários.
Muito legal mesmo! Continuo acompanhando seu trabalho no Caos e no blog aqui.

Um abraço.
R.B.