segunda-feira, 5 de julho de 2010


Côncavo

Cólera nos meus olhos pequenos de passarinho morto
O pior chute é aquele que vem da inocência cortante das palavras
(a ainda menina e sua vulva violentada entre as coxas)
É preciso velar pelas bocas costuradas
Gosto de pintar homens sem faces
Subjugados pela insensatez dos ponteiros e de outros homens
- essa nossa vida anti-horário
A nos comer pelos pés.

Hoje as paredes caiadas discorrem mais a meu respeito
Do que cien años de soledad ao seu lado
De todo nosso amor anárquico
Restam-me ridículos pontos de luz furtados
Escapando rotos pelas venezianas trancadas
Agora seus gozos mancham outros úteros
Suas mãos convulsivas já não me dividem ao meio
Como a mim mesma – autoflagelo.

Contudo, alimento os escorpiões encalacrados das madrugadas.

16 comentários:

Adriana Godoy disse...

"Agora seus gozos mancham outros úteros
Suas mãos convulsivas já não me dividem ao meio
Como a mim mesma – autoflagelo."

Márcia, delirante, intenso, forte, maravilhoso-especialmente esse trecho. beijo.

Parreira disse...

Eu me recuso a fazer mais comentários: todos eles já são redundantes.

Fábio disse...

Curto textos assim, um tanto rancorosos. Uma pitadinha de ironia talvez fizesse muito bem ao ótimo texto.

Abraços.

Lisa Alves disse...

Fica a lembrança e sentimentos de perda ou de coleções de momentos. "homens sem face" perfeito.

Canto da Boca disse...

Senti uma saudade corrosiva escorrendo por todos os veios e veias...


:)

Canto da Boca disse...

Obrigada eu, menina!
Estive em Cabo Verde, ano passado, mergulhei no interior de uma das ilhas, e reencontrei a minha essência lá. Relato as emoções sentidas aqui: http://cantodaboca.blogspot.com/2009/10/cabo-verde-nha-cretcheu.html

se quiseres, tento trazer um pouco das Ilhas Crioulas, das vivências. Eu também estudo sobre Cabo Verde.

Beijo!

;)

Luciano Fraga disse...

Márcia amiga,arrepiante e dilacerante, auto flagelo, simplesmente de deixar sangue escorrendo pelos cantos da boca, sempre maravilhosa a sua escrita, abração.

Priscila Lopes disse...

Marcia, primeiro: adorei tua poesia, tua poética, tua pose. (primeiro: adorei você, escritora). Primeiro: teu blog da gosto de entrar, e ficar, gostar. Primeiro: tua visão está além, já está além, és daquelas que já ultrapassaram o raso e o profundo - "és das minhas"? - eu até entendo que. Primeiro: eu entendo que. Eu entendo.

Segundo, você lê Sylvia Plath?

MAILSON FURTADO disse...

Belo blog, bela postagem...

Muito bom seu trabalho!!!

Parabéns...

Conheça:
http://mailsonfurtado.blogspot.com

Ciih s2 Fe disse...

Adorei!

Você é tão linda! :)

Felicidade Clandestina disse...

tomei a ousadia de postar algo seu no Reino.

tais palavras me fascinaram...

Cadinho RoCo disse...

Precisasmos sim de alimentar aquilo que nos sustenta de alguma maneira.
Cadinho RoCo

Jobah Gharozzi disse...

Uuuuuuuuu.... Forte!!!!
chega a materializar uma cena em minha cuca.
Gostei do seu blog.
hehe
bjooos
sigo-te

Lunna Guedes disse...

Não te conhecia, pelo menos e a sensação que tenho e sai lendo seus escritos como quem arranca os lençóis da cama. E sim, gostei daqui e espero voltar, mas tudo depende dos desacertos do mundo já que nem posso dizer-te ao certo o que me trouxe aqui. O vento sei que de fato não foi, pois a paisagem segue imóvel e o deserto que é essa urbanicidade não cabe nessa breve janela. Grazie pelos dizeres que me alcançaram nessa estranha tarde de sexta-feira. Vou a pé mesmo a partir de agora com a sensação de gozo entre as mãos...

Anônimo disse...

necessario verificar:)

BB disse...

Quem não se autoflagela, não sabe a intensidade de sentir um orgasmo.