sábado, 29 de janeiro de 2011

Placenta


“Onde é o vasto ventre do nada, prenhe de mundos, que contém agora as raças que virão?”

Arthur Schopenhauer

Enquanto a despia com a alma de viajante, pensava em “Cão Danado”. Se o revólver não tivesse sido roubado. Se ela não tivesse casado com aquele homem rude, se não tivesse parido por tantos anos, tantos filhos brutos rasgando suas entranhas de falsa mulher civilizada... Soluçava e sentia o gosto das goiabas que compartilhávamos quando crianças e com o tempo foi bichando. O esfíncter arrombado da nossa infância prematura.

- Você está diferente, parece que a rudeza te comeu por dentro e por fora, de pensar que já fomos tão parecidas, as pessoas até costumavam confundir.

- Você julga não ter mudado.

- E mudei?

- Minha querida! Não seja tão tonta, eu não envelheci assim, tão de repente, tão sozinha, já faz tantos anos...

- Tantos anos?! Não foram tantos assim.

- Eu apenas parei com essa luta insana contra o tempo. Agora eu comungo com ele, todas as manhãs.

- Uma forma bem cômoda de encarar essa flacidez mórbida estampada em você, toda essa pele manchada de mágoa tropeçando entre seus dedos.

- É triste ver você.

- Que ironia! Digo o mesmo.

- Eu te amo, não há nenhuma ironia em minha voz, não desperdice suas forças comigo, estou ao seu lado, como quando pela manhã nos surpreendíamos porque tínhamos sonhado o mesmo sonho.

- Já não me lembrava.

- Você ainda não percebeu que mudou. Um vestido que nunca foi usado, não significa que não envelheceu.

Suas palavras afundaram como pedras, pungentes como a saudade de um morto. Corri, andei em direção ao quarto. Entrei, fui até o espelho, tirei toda a roupa, peça por peça. Era triste, mas era verdade. Senti-me ridícula. Tentando capturar a juventude a fórceps. Os seios minúsculos e murchos não se acomodavam em minhas mãos inescrupulosas e duras, a artrite já tinha corroído minhas articulações. A rosa tatuada também murchara e jamais seria colhida. No ventre, as trilhas eram profundas e de um perolado fosco. Todos os espermas que, por vaidade, matei estavam ali, vivíssimos, rindo da minha antiga polidez. Tentei bisbilhotar por dentro de mim à procura de consolo. Inviável. Estava morta. No lugar das enguias, tripas secas. Retirei os dedos. Agora uma vagina era apenas uma vagina. Uma matéria escura. E eu estava mijando para o universo. Olho para o chão, alguns tacos estão soltos. Tanto tempo passou e tudo que eu queria era anoitecer e poder ver a Ursa Maior se eternizando na brancura do teto.

11 comentários:

Luciano disse...

Que bom poder te reler, visualizar tantas imagens, por meio das tuas palavras tão bem dispostas.
Estava com saudades.
Bjão, menina.

BAR DO BARDO disse...

O toque magistral permanece. Que bom!

Felicidades!

On The Rocks disse...

sinto falta dos seus escritos. espero que não demore para postar o próximo.

vou ler mais uma vez o post já que a cerva aqui tá começando a fazer efeito - rs

...

bj

Menina no Sotão disse...

Eu fiquei aqui lendo e relendo e fui me perdendo diante do espelho. Por um instante não sabia o que via. Era alguém, mas estava tão embaçado que o reflexo parecia ser vazio. Talvez o vazio explique o humano que lá está.
Saudades de ti minha cara. Por onde andas?

Adriana Godoy disse...

Beleza, Marcia. Adoro seus textos. Não demore muito a postar de novo. Eles fazem falta. Beijo

Felicidade Clandestina disse...

dona moça,

sempre intensa...


beijos!

Diego moraes disse...

Belo.

Luciano Fraga disse...

Márcia, sempre magistral e contundente a sua escrita, realmente um prazer ler seus textos.O que ocorre é que muitas vezes esquecemos de nós e quando olhamos pra trás...Quando olhamos pelas janelas, o tempo nos corroeu, beijo terno.

Diego Pinheiro: disse...

Existe um verso interessante:

"o tempo é a criação fatal do homem... e o homem a criação fatal do tempo."


Seu texto é incrível... Há muito não venho aqui, e me surpreendi, novamente, com sua narrativa.
Gostaria que desse uma olhada nesse conto que tem crônica em seu título:
http://pinheirodiego.blogspot.com/2011/03/cronica-do-ser-morto.html


Abraços, Márcia.

Marcélia Macidália disse...

Adorei a disposição dos textos...
um beijo e bom fim de semana

Lohan Lage Pignone disse...

Incrível, merece aplausos de pé. Meus parabéns, Marcia, este é um dos melhores contos que já li. Ficará registrado na minha memória, tenha certeza disso.

A idade avança... E o que retrocede?

Prazer!
Lohan (http://autoressa.blogspot.com)