sábado, 6 de março de 2010

Campos ceifados


“Não há falta na ausência. / A ausência é um estar em mim. / E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços (...)”.
Carlos Drummond de Andrade

O rio é um mar pequeno, infinito e tenebroso. Cavalos marinhos devorando submarinos de todas as cores e mastigando cadáveres frescos. Carvalhos sentimentais. Cardumes de olhos me olham. Espiões. Peixes esperando serem fisgados.

Relembrar é estranho... É viver duplamente o que deveria ser subtraído da memória. Reencarnações. Engulo estranhas pílulas brancas. Não se compra a paz. A sanidade num frasco de vidro. Medley. Duzentos anos para decompor. Tarja preta.
O divã é um culto intelectual às emoções mortas. Lazaro e suas roupas em farrapos.
- O que você está sentindo?
Moscas mortas. É o que eu vejo toda vez que fecho os olhos. O perolado das moscas mortas. Varejeiras.
- Conte mais. O que mais você vê?
Redes resgatando enguias. Cristo mergulhado em ódio e silêncio. Sinestesias. Mantos revestindo pedras. Sanguessugas cobrindo meu corpo.
- E a sua infância? Qual o cheiro da sua infância?
Vísceras frescas. Leitos. Vidas submersas. Chuvas e escombros de janeiro. Velas queimando sobre carne. Diálogos escorregando entre os vãos obscuro da portas.
- E a morte? Você tem medo da morte?
Não. Penso na morte como números cabalísticos. Inevitável. Roda da fortuna.
- A morte não te surpreende?
A morte, algumas vezes, não é surpreendente. Não chega feito um batedor de carteiras. Vem mansa e certa, como a correnteza... Como uivos em noite de lua plena. Como o suicídio previsível dos desesperados.
- E a sua mãe, gostaria de falar dela?
A minha mãe estava na beira do rio comigo no colo, não me recordo nitidamente, acho que meu irmão brincava um pouco mais distante, aí então...
- pode continuar.
... foi então que ela perdeu os sentidos, a vida perdeu o sentido. Eu puxei-a pelos cabelos e gritei, gritei, gritei, mas a correnteza foi levando, levando... Ainda sinto seus cabelos escorregando entre meus dedos finos e enrugados, sua vida se tornando fluida e transparente.

Era um aquário, depois virou rio, depois virou mar.
- E o mar?
O mar é apenas um rio grande, infinito e tenebroso. Tão somente... Campos ceifados.

14 comentários:

Adriana Godoy disse...

Oi, Márcia, depois de longa ausência, vc nos presenteia com um conto tão intenso e belo como os campos ceifados, como o rio correndo pro mar. Não suma por muito tempo. Beijo.

Gabriela Galvão disse...

Brigada, Márcia. Q sua intensidade ñ seja ceifada.

Lisa Alves disse...

"O divã é um culto intelectual às emoções mortas."

e as vezes elas ressuscitam e tomam formas monstruosas e temos apenas a opção de integrar essas novas criaturas no cotidiano.

esse texto é puro divã.

Le Vautour disse...

A vida pode não valer um conto, mas há contos que valem uma vida. E por falar em vida, que vida, que vida intensa e exuberante há em você! Ainda quando fale em morte.
Ora, ora, ora... pensando bem, que é a morte, senão "obverse" da própria vida?
Adoro seus contos, adoro.

Parreira disse...

O mar, a morte, o inferno que é a lembrança.
Dizer o que sobre este conto?
Vc tem o dom de fazer vir à tona aquilo que a gente quer guardado lá no fundo.
Prosa-lâmina a sua.


Beijus!

Felicidade Clandestina disse...

nosssa... que texto é esse?

uma verdadeira viagem... sem palavras para ele.


quanta intensidade nessas palavras.





beijos minha querida :)

Braga e Poesia disse...

cinema.tomadas.roteiro infraveneno.
Marcia a pontuação deste texto o transforma e faz ali nas curvas do tempo o correr entre os dedos a vida com suas falsas paradas e correntes sufocando engolindo lá nos miudos da memoria.
grandioso.

Iara disse...

Márcia, sua escrita continua afiadíssima! Sorte nossa!
Vim para lhe sugerir uma visita em http://wiskowcontos.blogspot.com/. Talvez vc goste!

Por que você faz poema? disse...

Belas imagens neste texto, o mar é mesmo um rio grande (do norte).

Luciano disse...

Que delícia de conto. Aqui, ainda sem palavras que consigam expressar todo o encantamento da experiência literária que tu me proporcionas.
Bj Marcinha.

On The Rocks disse...

grande texto. próprio de quem tem talento raro para a escrita.

bj

Assis de Mello disse...

Muito bom, Márcia !!!
Quantos coelhos brancos saem de sua cartola !!!
Beijãoooo,
Chico

Mai disse...

O grande assombro foi perceber-me com o teu texto que ressuscita a lembrança de que reencarnamos inúmeras vezes numa só existência.
Pior que a ceifa são as escolhas reincidentes e vãs.

E o divã é um ressurgir dos mortos e eles vivem...

Bárbaro este texto, Márcia.
bjo

Fanzine Episódio Cultural disse...

COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?
O Fanzine Episódio Cultural é um jornal bimestral sem fins lucrativos, distribuído gratuitamente no sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Salvador-BA e Rio de Janeiro. Para participar basta enviar um artigo sobre esporte, moda, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, livros, curiosidades, folclore, saúde, Teatro, cinema, revistas, fanzines, música, fotografia, mini contos, poemas, etc.
Contato: Carlos (editor)
(35) 3295-6106
(35) 8833-9255
machadocultural@gmail.com
http://www.fanzineepisodiocultural.blogspot.com
Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
VEJA NOSSA LOGO NA FEIRA DO LIVRO DE POÇOS DE CALDAS 2011
http://www.feiradolivropocosdecaldas.com.br/