segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Do meu corpo comerás...

O tempo passa e sempre criamos novas combinações binárias, que nada explicam, mas que distraem nossos pesadelos. Somos picados eternamente pelas mesmas cobras, insistimos, beijamos a sua boca, extraímos seu veneno e dormimos enrolados em sua cauda, à espera da troca de sua pele.Um mesmo homem em um terno novo. Nas mãos ramalhetes de flores, não para reverenciar, é a cobrança dos mortos do dia anterior. Velórios e nascimentos todos os dias nas xícaras da mesa nunca posta. Apenas os amantes usam bandejas e geléias. Nós, creme de barbear, aparelhos e toalhas molhadas. Controles remotos, porque uma hora é preciso se desligar de nossas paranóias, amar menos, se doar mais. Viajar ao redor de nós e descobrir que esquecemos um pensamento, um absurdo no bolso do outro, essas insignificâncias tão urgentes que os outros, o outro não percebe, joga fora. Bilhetes e passagens de dois anos atrás. É o antigo costume de colecionar porcarias. Passo no meio-fio e recolho um braço esquecido do último abraço. Pensei em abaixar, mas que utilidade teria um carinho que se foi? Não sei, combinações binárias me fascinam, embora não as entenda. Vasos artificiais, você sabia da minha dificuldade em administrar pequenos seres vivos, sempre tão cheio de exigências! Gosto dos cactos, eles compreendem meu descuido e eu compreendo os seus espinhos cutucando a minha dor. Surpreendo-te com futilidades no meio da vida e você tão trágico, peças em três atos. Matematicamente incorreto, correndo sobre os fios de eletricidade. Nossos rostos nas pequenas poças de água do quintal. Envelhecemos. Amamos e envelhecemos, paixões furtivas aparecerão e eu perdoarei teu romantismo. Afinal, já somos tão parecidos que devorar um ao outro é estranho, é narcisismo, é canibalismo. Então,vamos caminhar, porque entre as pedras aparecerão alguns pássaros que farão parecer que o caminho é fácil, não se engane, eles logo passaram, eles sempre passam... No final, tudo é uma ridícula e necessária combinação binária.

36 comentários:

f@ disse...

Mto belo este texto, espalha-se o veneno no doce …
E com tal beleza da pele de cobra esperamos um manto a rastejar ante os nossos olhos …

“Do Braço esquecido no abraço” que teimamos saborear… mas como asas de pássaro que muda de pena ,… que o [(a) “braço] já não tem a mesma pele macia e o toque das pontas dos dedos já nem lembra…
Beijinhos das nuvens

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Marcia:
Nessa ânsia que toma conta de mim, sem ter notícias do meu irmão que está sendo operado há seis horas, tive tempo para fazer mais um post e duvido que vc tenha visto o filme. Apareça.
Um abraço,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Marcia:
Desculpe-me ser repetitiva. Nessa ansiedade em que estou, pois ontem o meu irmão foi operado e a operação durou 9 horas, e será operado hj de novo, fiz um post para não voltar a fumar. É sobre um filme que acho que vc não viu, e dedico o post ao meu irmão e ao João da Silva, que saiu da Blogosfera. Dê-me seu apoio.
Um abraço,
Renata

Luciano Fraga disse...

Márcia,abrir este espaço na busca de um novo texto tem_se tornado ânsia, vício(do bom), seu texto abre espaços, fronteiras para combinações "binárias" diversas,pela riqueza das palavras. Realmente as relações amorosas, pessoais, religiosas, tem transformado os seres de uma forma geral em meros números, é muito triste, parabéns, beijo.

JC disse...

Belo texto. Se seguirmos o caminho que os pássaros trilham sabemos sempre para onde vamos e para onde queremos ir. Vejamos, por exemplo as andorinhas.
Beijinhos

Ricardo Jung disse...

Preciso de uma amiga tranqüila
Com um ouvido pra me escutar
Acho que esse papel é seu
Mas você não dá a mínima

Ah até que pra quem nasceu colorida você aceita bem se tornar preta e branca

Consegue tornar isso cool


Mas conformismo é autocídio!

Ricardo Jung disse...

Márcia, tenho uma parada patifalar...

há muito tempo atrás, numa galáxia distante, eu fiz um texto chamado "A Drasta Má (Ascendant in Scorpio)", e na verdade eu fiz ele só pra saber o que você acharia... ele pega bem no ciúme, que é um tema recorrente nos teus textos

http://artepoiesis.blogspot.com/2008/08/drasta-m-ascendant-in-scorpio.html

Ricardo Jung disse...

ah sim, gostaria que você o comentasse, se não for pedir demais

um beijo, cheio de sangria

O empírico disse...

Tudo que dói, perde um pouco do seu sentido.

Andréia Alves Pires disse...

é verdade.. me fez pensar muitas coisas necessárias.. obrigada. vou voltar aqui.. :)

iara disse...

O que você escreve é trinário, é milésimo! Que engenho, Márcia! Sempre que venho, a sensação é de que vale a pena!
Este foi impactante! Na fundo e na superfície, tudo neste texto respira e espeta. Uma agulha raspando em diamante!

marcio mc disse...

Os cactos se adaptam facilmente aos locais ácidos e também entendem o nosso desleixo.Texto muito bom.

Heitor Cardoso disse...

Entao a musa tem um rosto :)
Bem, desculpe-me o desaparecimento.
Tenho que me empenhar pra estar novamente em dias com o blog.
Bem, lembra dos textos que eu tava escrevendo? O primeiro deles foi postado ja. Aviso que nao ficou muito legal :~ mas os outros foram melhorando e tudo mais :) Bem, é isso, estamos de volta.
A proposito, belo sorriso e belos cabelos. Beijos

biazinha disse...

De tirar o folego...me tocou tanto que nem consigo organizar as idéias.
Beijos.

Ingrid Guerra disse...

Adorei essa frase: "O tempo passa e sempre criamos novas combinações binárias, que nada explicam, mas que distraem nossos pesadelos".
Direta, profunda e real. Embora, nem sempre queiramos distrair nossos pesadelos, por mais estranho que pareça.
Super abração, Marcia.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Marcia:
Venha dar-mea mão, pois estou caindo do penhasco. Preciso de força, amiga, não importa se leu ou vai ler o meu post.
Um beijo,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

Blood Tears disse...

Somos simultaneamente veneno e envenennados por nós mesmos e por outros...., Como ouroboros, num círculo eterno e vicioso.

Também sou uma mulher de cactos, aliás, uma rosa com espinhos, pois considero que as flores que espalham os eu perfume e não têm espinhos, não são flores verdadeiras.... São apenas de plástico....

Um excelente texto, adorei.... :)

Blood Kisses

ROSA E OLIVIER disse...

para ti...

"te amo em silêncio...e só o silêncio sabe..."...!?...

beijos.

Crisfonseca disse...

Velórios e nascimentos todos os dias nas xícaras da mesa nunca posta.
Texto profundo,escritas de dor a ao mesmo tempo de amor.
Ès escritora sublime.
Beijos,
Cris

Heitor Cardoso disse...

Agradeço muito :] bem, eu nao tinha gostado muito dele nao, me desagradou em varias partes, mas acho que o que importa nao é minha opniao nesse caso.
Vou me esforçar pra organizar os outros textos que foram escritos nesse intervalo de tempo em que nao dei as caras. Por falar em caras, o teu rosto nao me é estranho -_-'
Te adicionei no msn, mas aposto que voce nao é do tipo que usa :] De qualquer forma, muitos beijos Musa. :*

João Videira Santos disse...

Diferente...As palavras diluem-se no texto fazendo dele um caudal que desagua na pertinência da vontade...Com ela, escrevo: quero mais! Beijo

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Amiga:
As coisas melhoraram! Conseguimos transferir o meu irmão para o Hospital do Coração, onde, daqui a 15 dias, vão pôr-lhe 4 "pontes". Fiz um post arrasador para comemorar e conto com a sua presença. Não precisa ler tudo para comentar, Marcia, é muito longo. Se vc ler sobre o filme já vai ficar com a pulga atrás da orelha e bastará.
Um beijo, querida,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

Heitor Cardoso disse...

o blog mais comentado do brasil :D só de bom que é ^^ beijao :D

alice disse...

Não li os outros comentários, mas achei que algo mudou no seu processo de criação. Parece uma voz que sabe que o caminho é difícil, mas vale o caminhar.

"Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho."

(Mario Quintana)

Passei tempo longe, mas voltei.

http://diariosdealice.blogspot.com/

É meio diferente do cosmic. Mas ainda sou eu.
Bjs.

"Insignificâncias tão urgentes" é o que colecionamos às vezes.

Muito bom mesmo.

Cadinho RoCo disse...

Quando nos libertamos dos nossos pesos o caminho fica mais fácil. Daí o sinal transmitido pela leveza dos pássaros.
Cadinho RoCo

mariazinha disse...

...tudo passa.

:)

beijo*

João da Silva disse...

Nossa, que imagens, Marcia. Cada vez que venho aqui fico impressionado com o seu poder de nos fazer voar para cá e para lá, ao sabor de Zéfiros que você tange, lindamente...
Beijos do distante amigo!

Leandro Jardim disse...

intenso :)

Paradoxos disse...

a tua foto ali do outro lado é um poema!!!

Lualves disse...

Marcia,

Deixo aqui registrada a minha passagem pelos seus caminhos...
.

Continue na estrada.

Lualves

Lord of Erewhon disse...

A alquimia acreditava poder resumir o mundo em fórmulas simples, mas a alma escapa a todas as equações.

Dark kiss.

Lord of Erewhon disse...

P. S. A minha aranha preferida partiu uma pata e está a ser operada há uma semana... mas não se atormente por isso... :)

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Marcia:
Vá ao meu Blog, você sabe que nunca lerá tudo e se assim for, você nunca irá lá. Fiz a resenha de um filme muito tocante e preciso do apoio dos amigos, não quero dizer por quê. Conto com vc.
Um beijo,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com

anjobaldio disse...

Muito bom. Grande abraço.

Xavier disse...

No final fica a pele seca no sol da cobra que já se foi, sem deixar rastros, sem tempo, sem nada. Aquarela da natureza pintada a dois. Sofrer e amar, amarrar erros é sempre a hora em vida.

Um carinho, Márcia.

O Profeta disse...

Atravesso o céu em sonhos
Três aves do mar, três raios de sol, três punhais
Seguem-me apontados à solidão
Ah este vento que sopra nos brandais


Vem partilhar comigo uma história real



Mágico beijo